quinta-feira, julho 01, 2010

Jongo

Não sou nenhum pé de valsa, aliás não entendo nada de dança, mas por esses dias conheci um dança chamada Jongo, caramba fiquei impressionado, resolvi pesquisar um pouco e postar algumas coisas pra vocês.


Segundo a Wikipedia:

Jongo é uma manifestação cultural essencialmente rural diretamente associada à cultura africana no Brasil e que influiu poderosamente na formação do Samba carioca, em especial, e da cultura popular brasileira como um todo.
Inserindo-se no âmbito das chamadas 'danças de umbigada' (sendo portanto aparentada com o 'Semba' ou 'Masemba' de Angola), o Jongo foi trazido para o Brasil por negros bantu, sequestrados nos antigos reinos de Ndongo e do Kongo, na região compreendida hoje por boa parte do território da República de Angola.
http://www.1papacaio.com.br/modules/Sala_aula/gallery/pesquisa/folclore/jongo.jpg
Composto por música e dança características, animadas por poetas que se desafiam por meio da improvisação, ali, no momento, com cantigas ou pontos enigmáticos ('amarrados') , o Jongo tem, provavelmente, como uma de suas origens mais remotas (pelo menos no que diz respeito á estrutura dos pontos cantados) o tradicional jogo de adivinhas angolano, denominado Jinongonongo. Uma característica essencial da linguagem do Jongo é a utilização de símbolos que, além de manter o sentido cifrado, possuem função supostamente mágica, provocando, supostamente, fenômenos paranormais. Dentre os mais evidentes pode-se citar o fogo, com o qual são afinados os instrumentos; os tambores, que são consagrados e considerados como ancestrais da comunidade; a dança em círculos com um casal ao centro, que remete à fertilidade; sem esquecer, é claro, as ricas metáforas utilizadas pelos jongueiros para compor seus "pontos" e cujo sentido é inacessível para os não-iniciados.
Hoje em dia podem participar do Jongo homens e mulheres, mas esta participação, em sua forma original era rigorosamente restrita aos iniciados ou mais experientes da comunidade. Este fator relaciona-se a normas éticas e sociais bastante comuns em diversas outras sociedades tradicionais - como as indígenas americanas - baseadas no respeito e obediência a um conselho de indivíduos 'mais velhos' e no 'culto aos ancestrais'.
http://somnegro.files.wordpress.com/2007/12/jonserr2.jpgPesquisas históricas indicam que o Jongo possui, na sua origem, relações com o hábito recorrente das culturas africanas de expressão bantu, durante o período colonial, de criar diversas comunidades, semelhantes a sociedades secretas e seitas político-religiosas especializadas, dentre as quais podemos citar até mesmo irmandades católicas, como a Congada. Estas fraternidades tiveram importante papel na resistência à escravidão, como modo de comunicação e organização, e até mesmo comprando e alforriando escravos.
Dançado e cantado outrora com o acompanhamento de urucungo (arco musical bantu, que originou o atual berimbau), viola e pandeiro, além de três tambores consagrados, utilizados até os nossos dias, chamados de Tambu ou 'Caxambu', o maior - que dá nome a manifestação em algumas regiões - 'Candongueiro', o menor e o tambor de fricção 'Ngoma-puíta' (uma espécie de cuíca muito grande), o Jongo é ainda hoje bastante praticado em diversas cidades de sua região original: o Vale do Paraíba na Região Sudeste do Brasil, ao sul do estado do Rio de Janeiro e ao norte do estado de São Paulo. Entre as diversas comunidades que mantêm (ou, até recentemente, mantiveram) a prática desta manifestação, pode-se citar, como exemplo, as localizadas na periferia das cidades de Valença, Vassouras , Paraíba do Sul e Barra do Piraí (Rio de Janeiro) além de Guaratinguetá e Lagoinha (São Paulo), com reflexos na região dos rios Tietê, Pirapora e Piracicaba, também em São Paulo (onde ocorre uma manifestação muito semelhante ao Jongo conhecida pelo nome de 'Batuque') e até em certas localidades no sul de Minas Gerais.



Na cidade do Rio de Janeiro, a região compreendida pelos bairros de Madureira e Oswaldo Cruz, já nos anos imediatamente posteriores à abolição da escravatura, centralizou durante muito tempo a prática desta manifestação na zona rural da antiga Corte Imperial, atraindo um grande número de migrantes ex-escravos, oriundos das fazendas de café do Vale do Paraíba. Entre os precursores da implantação do Jongo nesta área se destacaram a ex-escrava Maria Teresa dos Santos muitos de seus parentes ou aparentados além de diversos vizinhos da comunidade, entre os quais Mano Elói (Eloy Anthero Dias), Sebastião Mulequinho e Tia Eulália, todos eles intimamente ligados a fundação da Escola de Samba Império Serrano, sediada no Morro da Serrinha.
A partir de meados da década 70, no mesmo Morro da Serrinha, o músico percussionista Darcy Monteiro 'do Império' (mais tarde conhecido como Mestre Darcy), a partir dos conhecimentos assimilados com sua mãe, a rezadeira Maria Joana Monteiro (discípula de Vó Teresa), passando a se dedicar á difusão e a recriação da dança em palcos, centros culturais e universidades, estimulando por meio de oficinas e workshops, a formação de grupos de admiradores do Jongo que, embora praticando apenas aqueles aspectos mais superficiais da dança, deslocando-a de seu âmbito social e seu contexto tradicional original, dão hoje a ela alguma projeção nacional.
Ainda no âmbito da cidade do Rio de Janeiro, é digno de nota também o 'Caxambu do Salgueiro', grupo de Jongo tradicional que, comandado por Mestre Geraldo, animou, pelo menos até o início da década de 1980, o Morro do Salgueiro, no bairro da Tijuca e era composto por figuras históricas daquela comunidade, entre as quais Tia Neném e Tia Zezé, famosas integrantes da ala das baianas da Escola de Samba G.R.E.S Acadêmicos do Salgueiro.



Em 1996 aconteceu no município de Santo Antônio de Pádua, Rio de Janeiro, o I Encontro de Jongueiros, resultado de um projeto de extensão da Universidade Federal Fluminense/UFF, desenvolvido pelo campus avançado que a universidade possui neste município. Deste encontro participaram dois grupos de jongueiros da cidade e mais um de Miracema, município vizinho. A partir daí, o encontro passou a ser anual. Hoje, cerca de treze comunidades jongueiras participam deste Encontro. O mais recente, o XII Encontro de Jongueiros, foi realizado nos dias 25 e 26 de abril de 2008 em Piquete / SP e teve a participação de 1000 jongueiros das cidades de Valença-Quilombo São José, Barra do Pirai, Pinheiral, Angra dos Reis, Santo Antônio de Pádua, Miracema, Serrinha, Porciúncula, Quissamã, Campos, São Mateus, Carangola, São José dos Campos, Guaratinguetá, Campinas e Piquete.
Em 2000, durante a realização do V Encontro de Jongueiros, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, foi criada a Rede de Memória do Jongo e do Caxambu cujo objetivo é organizar as comunidades jongueiras e fortalecer suas lutas por terras, direitos e justiça social.

0 trocaram ideia:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brothers do Facebook

Seguidores

Pensamento

‎"O que mata as pessoas é a ambição. E também esta tendência para a sociedade de consumo. Quando vejo publicidade na televisão, digo a mim mesmo: podem me apresentar isto anos a fio que nunca comprarei nada daquilo que mostram. Nunca desejei um belo automóvel. Nunca desejei outra coisa senão ser eu próprio. Posso caminhar na rua com as mãos nos bolsos e sinto-me um príncipe."
Albert Cossery
 

Parceiros

Baú do Hippie

Nuvem de Tags

Poesias Contracultura Biografias Música também é poesia Religião e Exoterismo Música para download Bob Dylan Livros Segredos do sistema Política Raulseixismo Letra e Clipe Francisco Jamess poetas Jack Kerouac Contos Ecologia Gente nova Crônicas Frases Notícias contos fantásticos Clipes Ebooks Mitologia Aleister Crowley Dicas de Informática Filosofia Música boa Vídeos Zen cotidiano fantástico Augusto Mota Hippies Rock Blues Hanny Saraiva Pintores e Quadros Resenha Zé Ramalho estórias humor literatura Nacional Anos 80 Maurício Baia Shows mitologia grega Arte Casa das máquinas Cultura Regional Deuses Discografias Geração Beat Letras Raul Seixas Maconha Meio Ambiente Novos Baianos Produção independente Rau Seixas Raul Seixas Velhas Virgens desabafo literatura livro the doors AC/DC Adriana Vargas Agridoce Alceu Valença Amor Amor ou Sexo Anne Rice Anya Análise de Letras Apostilas As freiras que só ouvem rock Banca do Blues Bandas Beatniks Bertold Brecht Bertolt Brecht Beto Guedes Bossa Nova Caetano Veloso Campanhas Campinas Chico Buarque Clube de Autores Conspirações Deus Hermes Escrita Automática Eventos Experimentalismo Explicações pitorecas Felipe Neto Fernando Pessoa Friedrich Nietzsche Geraldo Azevedo Geraldo Vandré Henaph História Homenagem Imprensa Jards Macalé Jim Morrison Jimi Hendrix Jornalismo Khalil Gibram Khalil Gibran Lapa Manoel F. dos Santos Mapa de Piri Reis Mensageiros do subsolo Músicas Online Novidades O Jardim das Rosas Negras O Oitavo Pecado O Profeta O amor Pablo Picasso Pecado Pedra Letícia Pensamentos Pinturas Prensa Protestos Provos Prêmios e selos Rita Lee Sagrado coração da Terra Samantha Selène d'Aquitaine Simone O. Marques Slash Sérgio Sampaio Tattoo Televisão The Doses anjo assaltos casa cinema conto-de-fadas cursos e tutoriais demônio download editora Modo fada feérico juventude literatura brasileira lua meio-demônio os sete pecados capitais sangue de demônio sangue de fada snctzo tatuagem trama vampiro vampiros
 

Templates by Profile Link Services | website template | article spinner by Blogger Templates