quarta-feira, setembro 29, 2010

Os Votos - Sérgio Jockymann


“Pois desejo primeiro que você ame e que amando, seja também amado.
E que se não o for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa.
Desejo depois que não seja só, mas que se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que tenha amigos e que mesmo maus e inconseqüentes sejam corajosos e fiéis.
E que em pelo menos um deles você possa confiar e que confiando não duvide de sua confiança.
E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos, nem muitos nem poucos, mas na medida exata para que algumas vezes você interprele a respeito de suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo para que você não se sinta demasiadamente seguro.
Desejo depois que você seja útil, não insubstituívelmente útil mas razoavelmente útil.
E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante, não com que os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com aqueles que erram muito e irremediavelmente.
E que essa tolerância nem se transforme em aplauso nem em permissividade, para que assim fazendo um bom uso dela, você dê também um exemplo para os outros.
Desejo que você sendo jovem não amadureça depressa demais,
e que sendo maduro não insista em rejuvenescer,
e que sendo velho não se dedique a desesperar.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e é preciso deixar que eles escorram dentro de nós.
Desejo por sinal que você seja triste, não o ano todo, nem um mês e muito menos uma semana,
mas um dia.
Mas que nesse dia de tristeza, você descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra com o máximo de urgência, acima e a despeito de tudo, talvez agora mesmo, mas se for impossível amanhã de manhã, que existem oprimidos, injustiçados e infelizes.
E que estão estão à sua volta, porque seu pai aceitou conviver com eles.
E que eles continuarão à volta de seus filhos, se você achar a convivência inevitável.
Desejo ainda que você afague um gato, que alimente um cão e ouça pelo menos um João-de-barro erguer triunfante seu canto matinal.
Porque assim você se sentirá bom por nada.
Desejo também que você plante uma semente por mais ridículo que seja e acompanhe seu crescimento dia a dia, para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano você ponha uma porção dele na sua frente e diga: Isto é meu.
Só para que fique claro quem é o dono de quem.
Desejo ainda que você seja frugal, não inteiramente frugal, não obcecadamente frugal, mas apenas usualmente frugal.
Mas que essa frugalidade não impeça você de abusar quando o abuso se impor*.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você. Mas que se morrer, você possa chorar sem se culpar e sofrer sem se lamentar.
Desejo por fim que,
sendo mulher, você tenha um bom homem
e que sendo homem tenha uma boa mulher.
E que se amem hoje, amanhã, depois, no dia seguinte, mais uma vez e novamente de agora até o próximo ano acabar.
E que quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda tenham amor pra recomeçar.
E se isso só acontecer, não tenho mais nada para desejar”

0 trocaram ideia:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brothers do Facebook

Seguidores

Pensamento

‎"O que mata as pessoas é a ambição. E também esta tendência para a sociedade de consumo. Quando vejo publicidade na televisão, digo a mim mesmo: podem me apresentar isto anos a fio que nunca comprarei nada daquilo que mostram. Nunca desejei um belo automóvel. Nunca desejei outra coisa senão ser eu próprio. Posso caminhar na rua com as mãos nos bolsos e sinto-me um príncipe."
Albert Cossery
 

Parceiros

Baú do Hippie

Nuvem de Tags

Poesias Contracultura Biografias Música também é poesia Religião e Exoterismo Música para download Bob Dylan Livros Segredos do sistema Política Raulseixismo Letra e Clipe Francisco Jamess poetas Jack Kerouac Contos Ecologia Gente nova Crônicas Frases Notícias contos fantásticos Clipes Ebooks Mitologia Aleister Crowley Dicas de Informática Filosofia Música boa Vídeos Zen cotidiano fantástico Augusto Mota Hippies Rock Blues Hanny Saraiva Pintores e Quadros Resenha Zé Ramalho estórias humor literatura Nacional Anos 80 Maurício Baia Shows mitologia grega Arte Casa das máquinas Cultura Regional Deuses Discografias Geração Beat Letras Raul Seixas Maconha Meio Ambiente Novos Baianos Produção independente Rau Seixas Raul Seixas Velhas Virgens desabafo literatura livro the doors AC/DC Adriana Vargas Agridoce Alceu Valença Amor Amor ou Sexo Anne Rice Anya Análise de Letras Apostilas As freiras que só ouvem rock Banca do Blues Bandas Beatniks Bertold Brecht Bertolt Brecht Beto Guedes Bossa Nova Caetano Veloso Campanhas Campinas Chico Buarque Clube de Autores Conspirações Deus Hermes Escrita Automática Eventos Experimentalismo Explicações pitorecas Felipe Neto Fernando Pessoa Friedrich Nietzsche Geraldo Azevedo Geraldo Vandré Henaph História Homenagem Imprensa Jards Macalé Jim Morrison Jimi Hendrix Jornalismo Khalil Gibram Khalil Gibran Lapa Manoel F. dos Santos Mapa de Piri Reis Mensageiros do subsolo Músicas Online Novidades O Jardim das Rosas Negras O Oitavo Pecado O Profeta O amor Pablo Picasso Pecado Pedra Letícia Pensamentos Pinturas Prensa Protestos Provos Prêmios e selos Rita Lee Sagrado coração da Terra Samantha Selène d'Aquitaine Simone O. Marques Slash Sérgio Sampaio Tattoo Televisão The Doses anjo assaltos casa cinema conto-de-fadas cursos e tutoriais demônio download editora Modo fada feérico juventude literatura brasileira lua meio-demônio os sete pecados capitais sangue de demônio sangue de fada snctzo tatuagem trama vampiro vampiros
 

Templates by Profile Link Services | website template | article spinner by Blogger Templates