sábado, abril 07, 2012

Quem são os beatniks?

     Viajar sem destino, com uma mochila nas costas, falando o que vem à cabeça, pedindo carona, bebendo wisky barato, com roupa surrada, fumando cigarros comuns... Assim eram a maioria dos beatniks. Mas quem de fato são esses "seres" estranhos, que ficavam perambulando pelas noites e falando "asneiras"? Quantos são? Pois é, não se sabe ao certo, sabe-se que alguns deles criaram obras incríveis, geniais, e que mudaram totalmente a vida de milhares de pessoas, mudaram a "forma de ver o mundo".
     Na década de 50, artistas, poetas, escritores desenvolveram um modo anti-materialista de viver. O nomadismo era uma característica dos quais, a busca espiritual, em geral muito aprofundada também, era algo que eles buscavam. A geração beat foi a primeira a nascer nos Estados Unidos com índole contracultural, o primeiro movimento forte iniciado por um pequeno grupo também.


Lucien Carr, Jack Kerouac, Allen Ginsberg e William S. Burroughs
     Influenciados pela batida do jazz, os textos produzidos pelos beats são fortes, fluídos, impacientes, frenéticos... O ritmo seria, segundo Kerouac, uma prova de esforço da livre associação das palavras. Daí a designação dos vários estilos literários dos beats, como “prosódia bop”, expressão que foi cunhada por Kerouac, e definida por Gregory Corso como “a utilização de misturas espontâneas, imagens surrealistas, saltos, batidas, compassos, longas e rápidas vogais, versos longo, muito longos, e a alma como principal conteúdo”.
     As obras mais conhecidas, tidas como "marcos" da geração são: "Howl" de Allen Ginsberg, "Naked Lunch" de William S. Burroughs e "On the Road" de Jack Kerouac. Esses autores são os mais famosos beatniks, na minha opinião, gênios. Ginsberg com "Howl" me tira o fôlego, creio que seja o manifesto mais forte dessa geração, ele exalta o estilo de vida marginal, o uso de ilícitos e sexualidade liberal. Em "Naked Lunch", Burroughs explicita algo que é intrínseco as suas obras, a fascinação pela miscigenação de movimentos, ele gosta de misturar características cubistas com dadaístas, e naquela obra podemos conferir isso devido a ilinearidade da narrativa. Kerouac é um dos meus escritores preferidos, "On the Road", sua obra mais conhecida, e uma das melhores, junto de "Visions of Cody", é incrível, pitoresca e emocionante, fugindo de todos os padrões, os textos de Jack relatam experiências vividas pelo autor, e essas acabam servindo de inspiração para muitos leitores de suas obras.
     O movimento Hippie, dentre outros posteriores inspiraram-se nos beats, tanto que alguns hippies se autodeclaram beatniks, e assim por diante. Um grupo inspirador, com ideias incríveis, e ideais a serem seguidos. Quem são os beatniks? Sou eu, é você, somos nós, todos somos beats, todos temos potencial para isso, mas nem todos temos coragem para optar por uma vida à margem da sociedade, por um caminho meio obtuso e boêmio. Enfim, pessoal, leiam as obras acima citadas e busquem saber mais sobre esta geração incrível, que mudou completamente o pensamento de diversas gerações e que deixou enraizada sua marca na história.

1 trocaram ideia:

La Petite Brunette

Adorei o post e darei uma "volta" pelo blog. Acho bastante interessante esse movimento, não só pelo o que representou e trouxe de inovador, mas pela época em que aconteceu, época que eu tenho uma pequena "quedinha".

Beijos

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brothers do Facebook

Seguidores

Pensamento

‎"O que mata as pessoas é a ambição. E também esta tendência para a sociedade de consumo. Quando vejo publicidade na televisão, digo a mim mesmo: podem me apresentar isto anos a fio que nunca comprarei nada daquilo que mostram. Nunca desejei um belo automóvel. Nunca desejei outra coisa senão ser eu próprio. Posso caminhar na rua com as mãos nos bolsos e sinto-me um príncipe."
Albert Cossery
 

Parceiros

Baú do Hippie

Nuvem de Tags

Poesias Contracultura Biografias Música também é poesia Religião e Exoterismo Música para download Bob Dylan Livros Segredos do sistema Política Raulseixismo Letra e Clipe Francisco Jamess poetas Jack Kerouac Contos Ecologia Gente nova Crônicas Frases Notícias contos fantásticos Clipes Ebooks Mitologia Aleister Crowley Dicas de Informática Filosofia Música boa Vídeos Zen cotidiano fantástico Augusto Mota Hippies Rock Blues Hanny Saraiva Pintores e Quadros Resenha Zé Ramalho estórias humor literatura Nacional Anos 80 Maurício Baia Shows mitologia grega Arte Casa das máquinas Cultura Regional Deuses Discografias Geração Beat Letras Raul Seixas Maconha Meio Ambiente Novos Baianos Produção independente Rau Seixas Raul Seixas Velhas Virgens desabafo literatura livro the doors AC/DC Adriana Vargas Agridoce Alceu Valença Amor Amor ou Sexo Anne Rice Anya Análise de Letras Apostilas As freiras que só ouvem rock Banca do Blues Bandas Beatniks Bertold Brecht Bertolt Brecht Beto Guedes Bossa Nova Caetano Veloso Campanhas Campinas Chico Buarque Clube de Autores Conspirações Deus Hermes Escrita Automática Eventos Experimentalismo Explicações pitorecas Felipe Neto Fernando Pessoa Friedrich Nietzsche Geraldo Azevedo Geraldo Vandré Henaph História Homenagem Imprensa Jards Macalé Jim Morrison Jimi Hendrix Jornalismo Khalil Gibram Khalil Gibran Lapa Manoel F. dos Santos Mapa de Piri Reis Mensageiros do subsolo Músicas Online Novidades O Jardim das Rosas Negras O Oitavo Pecado O Profeta O amor Pablo Picasso Pecado Pedra Letícia Pensamentos Pinturas Prensa Protestos Provos Prêmios e selos Rita Lee Sagrado coração da Terra Samantha Selène d'Aquitaine Simone O. Marques Slash Sérgio Sampaio Tattoo Televisão The Doses anjo assaltos casa cinema conto-de-fadas cursos e tutoriais demônio download editora Modo fada feérico juventude literatura brasileira lua meio-demônio os sete pecados capitais sangue de demônio sangue de fada snctzo tatuagem trama vampiro vampiros
 

Templates by Profile Link Services | website template | article spinner by Blogger Templates