sexta-feira, junho 01, 2012

Um pouco da história do incenso

A humanidade tem usado incenso, em suas primeiras formas, desde os primórdios da história humana. Com a descoberta do fogo, os nossos antepassados ​​teriam percebido que a maioria dos materiais desprendem um aroma único quando queimado. A diferença entre o cheiro de um punhado de salsa e de um galho de Pinheiro é muito enfatizada quando cada um é queimado. O ar é rapidamente preenchido com aromas inebriantes simplesmente jogando algumas folhas secas, especiarias ou galhos no fogo. Existem evidências históricas na maioria das culturas que os nossos antepassados ​​queimavam incensos para fins sagrados e de cura. Desde os tempos antigos as pessoas reconheceram que os aromas produzidos pela queima de materiais poderiam aumentar os sentidos. Quando o homem primitivo se reuniram ao redor de seu fogo, sentindo o cheiro de madeiras aromáticas, a fumaça subindo ao céu em espirais desprendendo seus aromas eram um raro prazer sensorial.
A partir deste momento foi  um passo para dedicar produtos perfumados aos Deuses, jogando-nos em fogueiras,  que também carregam os bons desejos e orações dos homens no calor das chamas.
Outros benefícios atribuídos à queima de incenso incluí a purificação de um espaço, para mudar um estado de espírito (para facilitar a meditação ou práticas religiosas) e de limpar e desinfectar, especialmente depois da poluição causada, por exemplo, morte ou doença.  Vários milhares de anos antes do advento do cristianismo, as plantas, ervas e especiarias que produziam o melhor incenso era negociados como mercadorias altamente desejáveis. Por muitos anos o incenso da península Arábica era na verdade uma moeda mais valiosa que o ouro ou prata. Em quase todas as religiões, óleos aromáticos, folhas e em pó foram considerados um presente dos deuses, símbolo da graça divina. Incenso foi usado em grandes quantidades pelos antigos egípcios, persas e assírios, e através deles, pelos romanos, que teriam aprendido de seu uso ao entrar em contato com as nações orientais.  O comércio de incenso floresceu por séculos, especialmente na área da península arábica de Omã, e seu uso pode ser rastreada até o reinado da Rainha de Sabá, que reinou sobre o Reino Hadramut que incluiu Omã. O comércio de incenso cresceu durante mil e quinhentos anos, com pico no auge do Império Romano. O comércio só diminuiu devido à redução na demanda após a queda do Império Romano e também por causa dos impostos exorbitantes cobrados ao longo das rotas de comércio estritamente controladas.

traduzido de :
A Brief History of Incense
by Margaret McGoverne

0 trocaram ideia:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brothers do Facebook

Seguidores

Pensamento

‎"O que mata as pessoas é a ambição. E também esta tendência para a sociedade de consumo. Quando vejo publicidade na televisão, digo a mim mesmo: podem me apresentar isto anos a fio que nunca comprarei nada daquilo que mostram. Nunca desejei um belo automóvel. Nunca desejei outra coisa senão ser eu próprio. Posso caminhar na rua com as mãos nos bolsos e sinto-me um príncipe."
Albert Cossery
 

Parceiros

Baú do Hippie

Nuvem de Tags

Poesias Contracultura Biografias Música também é poesia Religião e Exoterismo Música para download Bob Dylan Livros Segredos do sistema Política Raulseixismo Letra e Clipe Francisco Jamess poetas Jack Kerouac Contos Ecologia Gente nova Crônicas Frases Notícias contos fantásticos Clipes Ebooks Mitologia Aleister Crowley Dicas de Informática Filosofia Música boa Vídeos Zen cotidiano fantástico Augusto Mota Hippies Rock Blues Hanny Saraiva Pintores e Quadros Resenha Zé Ramalho estórias humor literatura Nacional Anos 80 Maurício Baia Shows mitologia grega Arte Casa das máquinas Cultura Regional Deuses Discografias Geração Beat Letras Raul Seixas Maconha Meio Ambiente Novos Baianos Produção independente Rau Seixas Raul Seixas Velhas Virgens desabafo literatura livro the doors AC/DC Adriana Vargas Agridoce Alceu Valença Amor Amor ou Sexo Anne Rice Anya Análise de Letras Apostilas As freiras que só ouvem rock Banca do Blues Bandas Beatniks Bertold Brecht Bertolt Brecht Beto Guedes Bossa Nova Caetano Veloso Campanhas Campinas Chico Buarque Clube de Autores Conspirações Deus Hermes Escrita Automática Eventos Experimentalismo Explicações pitorecas Felipe Neto Fernando Pessoa Friedrich Nietzsche Geraldo Azevedo Geraldo Vandré Henaph História Homenagem Imprensa Jards Macalé Jim Morrison Jimi Hendrix Jornalismo Khalil Gibram Khalil Gibran Lapa Manoel F. dos Santos Mapa de Piri Reis Mensageiros do subsolo Músicas Online Novidades O Jardim das Rosas Negras O Oitavo Pecado O Profeta O amor Pablo Picasso Pecado Pedra Letícia Pensamentos Pinturas Prensa Protestos Provos Prêmios e selos Rita Lee Sagrado coração da Terra Samantha Selène d'Aquitaine Simone O. Marques Slash Sérgio Sampaio Tattoo Televisão The Doses anjo assaltos casa cinema conto-de-fadas cursos e tutoriais demônio download editora Modo fada feérico juventude literatura brasileira lua meio-demônio os sete pecados capitais sangue de demônio sangue de fada snctzo tatuagem trama vampiro vampiros
 

Templates by Profile Link Services | website template | article spinner by Blogger Templates