quarta-feira, julho 04, 2012

Politicamente correto ? Por quê?

Vivemos dias perigosos de "politicamente correto", estamos sendo censurados da forma mais sutil que existe. O povo é obrigado a seguir regras de conduta aonde a liberdade de expressão paga um preço muito caro. Hoje vejo esse reflexo na música, é claro que principalmente no rock, que durante décadas foi o porta voz da juventude. Mas também em outros ritmos musicais como o samba e o reggae, que em suas raízes, entre outras coisas encontrávamos muitas referências da revolta da população contra a situação e política. Que em outrora traziam letras carregadas de rebeldia, alertando a todos, influenciando movimentos com seu refrões muitas vezes entoados como hinos de liberdade, vou citar algumas que lembro : Fábrica¹ do Legião Urbana, ²Apesar de Você - Chico Buarque. Canções com essa deram lugar para refrões vazios e batidas insistentes sem nenhuma criatividade, letras pornográficas, que são muito bem aceitas pela mídia já que o povo não é levado a pensar, pelo contrário apenas se rebolam acreditando ser o máximo.

A mensagem que tento trazer nessa postagem é simples, não deixem ser influenciados por esses modismos que só visam lucros rápidos e nenhuma informação. Estudem e se informem da verdadeira realidade do seu país. E nunca acreditem no que a TV lhe diz, tenha opinião própria e seja sempre autentico.





¹ Fábrica

Nosso dia vai chegar,


Teremos nossa vez.

Não é pedir demais:

Quero justiça,

Quero trabalhar em paz.

Não é muito o que lhe peço -

Eu quero um trabalho honesto

Em vez de escravidão.


Deve haver algum lugar

Onde o mais forte

Não consegue escravizar

Quem não tem chance.


De onde vem a indiferença

Temperada a ferro e fogo?

Quem guarda os portões da fábrica?


O céu já foi azul, mas agora é cinza

O que era verde aqui já não existe mais.

Quem me dera acreditar

Que não acontece nada de tanto brincar com fogo,

Que venha o fogo então.


Esse ar deixou minha vista cansada,

Nada demais.







Apesar de você


²Amanhã vai ser outro dia


Hoje você é quem manda

Falou, tá falado

Não tem discussão, não

A minha gente hoje anda

Falando de lado e olhando pro chão

Viu?

Você que inventou esse Estado

Inventou de inventar

Toda escuridão

Você que inventou o pecado

Esqueceu-se de inventar o perdão


Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Eu pergunto a você onde vai se esconder

Da enorme euforia?

Como vai proibir

Quando o galo insistir em cantar?

Água nova brotando

E a gente se amando sem parar


Quando chegar o momento

Esse meu sofrimento

Vou cobrar com juros. Juro!

Todo esse amor reprimido

Esse grito contido

Esse samba no escuro


Você que inventou a tristeza

Ora tenha a fineza

De "desinventar"

Você vai pagar, e é dobrado

Cada lágrima rolada

Nesse meu penar


Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Ainda pago pra ver

O jardim florescer

Qual você não queria


Você vai se amargar

Vendo o dia raiar

Sem lhe pedir licença


E eu vou morrer de rir

E esse dia há de vir

Antes do que você pensa

Apesar de você


Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Você vai ter que ver

A manhã renascer

E esbanjar poesia


Como vai se explicar

Vendo o céu clarear, de repente

Impunemente?

Como vai abafar

Nosso coro a cantar

Na sua frente

Apesar de você


Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Você vai se dar mal, etc e tal

La, laiá, la laiá, la laiá

0 trocaram ideia:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brothers do Facebook

Seguidores

Pensamento

‎"O que mata as pessoas é a ambição. E também esta tendência para a sociedade de consumo. Quando vejo publicidade na televisão, digo a mim mesmo: podem me apresentar isto anos a fio que nunca comprarei nada daquilo que mostram. Nunca desejei um belo automóvel. Nunca desejei outra coisa senão ser eu próprio. Posso caminhar na rua com as mãos nos bolsos e sinto-me um príncipe."
Albert Cossery
 

Parceiros

Baú do Hippie

Nuvem de Tags

Poesias Contracultura Biografias Música também é poesia Religião e Exoterismo Música para download Bob Dylan Livros Segredos do sistema Política Raulseixismo Letra e Clipe Francisco Jamess poetas Jack Kerouac Contos Ecologia Gente nova Crônicas Frases Notícias contos fantásticos Clipes Ebooks Mitologia Aleister Crowley Dicas de Informática Filosofia Música boa Vídeos Zen cotidiano fantástico Augusto Mota Hippies Rock Blues Hanny Saraiva Pintores e Quadros Resenha Zé Ramalho estórias humor literatura Nacional Anos 80 Maurício Baia Shows mitologia grega Arte Casa das máquinas Cultura Regional Deuses Discografias Geração Beat Letras Raul Seixas Maconha Meio Ambiente Novos Baianos Produção independente Rau Seixas Raul Seixas Velhas Virgens desabafo literatura livro the doors AC/DC Adriana Vargas Agridoce Alceu Valença Amor Amor ou Sexo Anne Rice Anya Análise de Letras Apostilas As freiras que só ouvem rock Banca do Blues Bandas Beatniks Bertold Brecht Bertolt Brecht Beto Guedes Bossa Nova Caetano Veloso Campanhas Campinas Chico Buarque Clube de Autores Conspirações Deus Hermes Escrita Automática Eventos Experimentalismo Explicações pitorecas Felipe Neto Fernando Pessoa Friedrich Nietzsche Geraldo Azevedo Geraldo Vandré Henaph História Homenagem Imprensa Jards Macalé Jim Morrison Jimi Hendrix Jornalismo Khalil Gibram Khalil Gibran Lapa Manoel F. dos Santos Mapa de Piri Reis Mensageiros do subsolo Músicas Online Novidades O Jardim das Rosas Negras O Oitavo Pecado O Profeta O amor Pablo Picasso Pecado Pedra Letícia Pensamentos Pinturas Prensa Protestos Provos Prêmios e selos Rita Lee Sagrado coração da Terra Samantha Selène d'Aquitaine Simone O. Marques Slash Sérgio Sampaio Tattoo Televisão The Doses anjo assaltos casa cinema conto-de-fadas cursos e tutoriais demônio download editora Modo fada feérico juventude literatura brasileira lua meio-demônio os sete pecados capitais sangue de demônio sangue de fada snctzo tatuagem trama vampiro vampiros
 

Templates by Profile Link Services | website template | article spinner by Blogger Templates