quarta-feira, julho 11, 2012

CONTO: O garoto que não conhecia o Líbano


Ele lia as estórias de trás pra frente. Qualquer estória. Desde aquelas de livros finos até às enciclopédias que a gente coloca em ordem e chama de vida. Ficava em casa folheando ao contrário porque era assim que se fazia alguém que vinha da Lua.
Quando as pessoas desciam da Lua elas não traziam malas, mas mochilas. Carregadas de fotos e tudo aquilo que não se pode ver. Aí elas batiam na casa de algum vizinho e mostravam todas as imagens.
O garoto me disse que não conhecia o Líbano, mas tinha um capacete de Marte. Servia para se proteger, pois dizia que tudo que é sólido pode derreter. Me contou que foi daí que surgiu “Tô com a cabeça na Lua” porque quando não se usava capacete o pescoço derretia e a cabeça se soltava. Havia muitas cabeças flutuantes em ambiente lunar. Me perguntou onde estava meu objeto de proteção contra todo o mal do desprendimento e eu não sabia o que dizer.
Foi nesse momento que partilhei o sentimento de extraterrestre.
- Não há problema, ele disse, vou te dar uma foto para você lembrar onde deve procurar. Sei que está aqui em algum lugar.
Desmanchou todos os livros da minha casa. Destruiu todas as estórias lineares e retirou toda a pontuação para que eu pudesse ver as palavras soltas. Vou confessar que em toda minha vida de coração viajante de pés livres foi a primeira vez que duvidei que alguém conseguiria me mostrar alguma coisa no meio daquela pilha de desorganização.
- Aqui, ele gritou em meio a meu Homero e o Inferno de Dante.
E eu não vi nada. Ficou balançando na minha cara todas aquelas folhas e eu só via o branco.
- Não há nada aqui, eu disse.
- Ah, sim – ele afirmou como se tivesse esquecido um detalhe muito importante.
Meus amigos fotógrafos dariam tudo pra ver uma câmera do espaço. A máquina fez clic e trouxe aquele brilho anos-luz. A pupila diminuiu e o coração dilatou por meio segundo. Entortei um pouco a cabeça pra ver se havia realmente enxergado bem a fotografia que ele balançava na minha cara mais uma vez.
Havia um ponto de interrogação tatuado no meio de uma mão. Eu dei aquelas duas piscadelas de confusão mental. Pessoas da Lua tinham pensamentos muito acelerados.
- Você precisa procurar sua energia estática, ele disse sorrindo.
Aí me entregou uma foto e um livro intitulado “Tudo que você gostaria de saber sobre a Lua e não tinha coragem de perguntar”
Depois disse que tinha que ir embora porque a Lua vivia se deslocando e ele precisava achar o caminho esquerdo antes que o direito derretesse. Pensei: Uau. Deve ser muito difícil viajar.

Você pode encontrar mais contos fantásticos em www.hannysaraiva.wordpress.com

0 trocaram ideia:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Brothers do Facebook

Seguidores

Pensamento

‎"O que mata as pessoas é a ambição. E também esta tendência para a sociedade de consumo. Quando vejo publicidade na televisão, digo a mim mesmo: podem me apresentar isto anos a fio que nunca comprarei nada daquilo que mostram. Nunca desejei um belo automóvel. Nunca desejei outra coisa senão ser eu próprio. Posso caminhar na rua com as mãos nos bolsos e sinto-me um príncipe."
Albert Cossery
 

Parceiros

Baú do Hippie

Nuvem de Tags

Poesias Contracultura Biografias Música também é poesia Religião e Exoterismo Música para download Bob Dylan Livros Segredos do sistema Política Raulseixismo Letra e Clipe Francisco Jamess poetas Jack Kerouac Contos Ecologia Gente nova Crônicas Frases Notícias contos fantásticos Clipes Ebooks Mitologia Aleister Crowley Dicas de Informática Filosofia Música boa Vídeos Zen cotidiano fantástico Augusto Mota Hippies Rock Blues Hanny Saraiva Pintores e Quadros Resenha Zé Ramalho estórias humor literatura Nacional Anos 80 Maurício Baia Shows mitologia grega Arte Casa das máquinas Cultura Regional Deuses Discografias Geração Beat Letras Raul Seixas Maconha Meio Ambiente Novos Baianos Produção independente Rau Seixas Raul Seixas Velhas Virgens desabafo literatura livro the doors AC/DC Adriana Vargas Agridoce Alceu Valença Amor Amor ou Sexo Anne Rice Anya Análise de Letras Apostilas As freiras que só ouvem rock Banca do Blues Bandas Beatniks Bertold Brecht Bertolt Brecht Beto Guedes Bossa Nova Caetano Veloso Campanhas Campinas Chico Buarque Clube de Autores Conspirações Deus Hermes Escrita Automática Eventos Experimentalismo Explicações pitorecas Felipe Neto Fernando Pessoa Friedrich Nietzsche Geraldo Azevedo Geraldo Vandré Henaph História Homenagem Imprensa Jards Macalé Jim Morrison Jimi Hendrix Jornalismo Khalil Gibram Khalil Gibran Lapa Manoel F. dos Santos Mapa de Piri Reis Mensageiros do subsolo Músicas Online Novidades O Jardim das Rosas Negras O Oitavo Pecado O Profeta O amor Pablo Picasso Pecado Pedra Letícia Pensamentos Pinturas Prensa Protestos Provos Prêmios e selos Rita Lee Sagrado coração da Terra Samantha Selène d'Aquitaine Simone O. Marques Slash Sérgio Sampaio Tattoo Televisão The Doses anjo assaltos casa cinema conto-de-fadas cursos e tutoriais demônio download editora Modo fada feérico juventude literatura brasileira lua meio-demônio os sete pecados capitais sangue de demônio sangue de fada snctzo tatuagem trama vampiro vampiros
 

Templates by Profile Link Services | website template | article spinner by Blogger Templates